sábado, 23 de outubro de 2010

E eu só queria ver as estrelas.


Depois de um dia de chuva, os vagalumes voam pela noite, próximos da luz, como se precisassem disso.
O que por algum motivo inexplicável
, me fez lembrar de você. Não na sua atual forma, mas naquela dos anos que se passaram, aqueles anos em que tudo se resumia às estrelas e nas canções. Mesmo num dia de chuva, tudo ainda remetia às canções, mesmo que as estrelas se tornassem invisíveis, sabíamos que elas estavam lá, esperando para se mostrarem, esperando as nuvens as deixarem à vista.
Talvez tenha sido isso o que aconteceu a você, talvez as nuvens saíram da sua frente, deixaram de te esconder. Ou, elas agora estão na sua frente, escondendo sua verdadeira face, aquela que se importava com as estrelas.
Receio que não goste do que eu diga, pelo fato de eu não te "entender". Mas é como se houvesse duas pessoas, coexistindo no mesmo corpo, não é nada do tipo duas caras, pois essas personalidades emergiram em tempos diferentes, mas eu tenho quase certeza de que coexistem aí dentro de você (talvez o Einstein tenha a pista, já que uma questão de tempo e espaço... Deixa pra lá.). E já que você sabe qual delas é minha preferida, não vou entrar na parte das mudanças, pois já falamos nisso.
Sei que posso parecer egoísta, juro que não é minha intenção, eu sei que você pensa que eu não te compreendo, talvez não do modo que você pensa ou deseja, mas eu entendo. Posso parecer covarde escrevendo ao invés de falar, mas essa é minha melhor forma de me expressar e você provavelmente sabe disso.
Só queria ver as estrelas de novo.

Obs.: Espero que a sinceridade seja o caminho ideal.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Dia das crianças


Hoje é véspera do dia das crianças e não posso deixar de notar, o quanto elas estão sendo bombardeadas por anúncios de brinquedos e presentes em geral. Caramba! Como se elas precisassem disso para serem felizes (minha irmã estava esgoelando agora pouco querendo presente).

Eu por exemplo, não ganhava muitos presentes e quando ganhava, costumava ser alguma coisa mais simples e barata. E quem disse que isso foi ruim? Eu me considero uma privilegiada, posso não ter ganhado presentes caros, mas não troco minha infância por nada nesse mundo!
Eu podia brincar na rua sem medo e também podia assistir TV a hora que eu quisesse, não precisava ficar trancada em casa o dia todo com brinquedos que brincam sozinhos.

Eu tenho pena da criançada de hoje em dia, a idéia do consumo é cada vez mais forçada pra dentro da cabeça delas, na verdade não só na delas, na cabeça de todos nós, mas elas não tem opinião formada e acabam sendo mais atingidas.
Eu ainda acho muito mais interessantes brinquedos que não falam, não correm, não comem. Onde está a criatividade de brincar assim?

Viva a imaginação!

"Ser criança é bom demais, se despreocupar com tudo que se faz!" Rubinho do Vale.